19/03/2013

Resenha: Stolen - Raptada - Carta ao meu Sequestrador



Olá pessoal.
A resenha de hoje será sobre um thriller bem diferente.



Nome: Stolen – Raptada – Carta ao meu Seqüestrador
Nome Original: Stolen
Autora: Lucy Christopher
Editora: ID
Ano: 2012   Páginas: 368
ISBN: 9788516077808

Esse livro estava na lista dos meus desejados há um bom tempo. Desde que li a sinopse pela primeira vez percebi que se tratava de uma história intensa pelo motivo de mostrar aspectos da Síndrome de Estocolmo e isso foi o que mais me chamou a atenção. No momento em que comecei a lê-lo notei que se tratava de um thriller psicológico mais leve e isso foi bem agradável, incomum de se ver e até um pouco surpreendente.
Stolen é narrado em primeira pessoa por Gemma, uma adolescente de dezesseis anos que está no aeroporto de Bangkok com seus pais esperando pelo seu vôo. No entanto, quando ela se afasta e vai até uma lanchonete, um rapaz bonito e charmoso se aproxima e lhe oferece um café; ela aceita e conversa com ele por algum tempo, sem nem ao menos imaginar quais são as suas verdadeiras intenções.

“ Ouvi você caminhando em minha direção. Tentei me encolher, tentei me afastar. Sentia tudo pesado. Lento. Meu cérebro funcionava e meu coração batia acelerado. Eu estava num lugar ruim. Isso eu sabia. Só não sabia como tinha chegado lá. Nem o que você fizera comigo.”


O que mais gostei neste livro além do desenvolvimento foi a narrativa;   além de ser diferente pelo motivo de Gemma contar tudo o que lhe aconteceu (e o que sentiu) como se fosse uma carta dirigida ao seu seqüestrador, todas as emoções dela antes e depois do rapto foram bem retratadas de forma que consegui sentir profundamente tudo o que se passava com ela; as suas angustias, medos, receios e até mesmo a sua compaixão para com o seqüestrador me pareceram bem reais e isso fez com que a leitura se tornasse mais prazerosa e cativante.
Outro ponto que apreciei foi o fato de não haver nenhuma violação sexual, violência ou algo do tipo, não que isso seja ruim em livros do gênero, eu até gosto de ler obras com temáticas mais fortes, mas creio que se tivesse algo assim em Stolen, dificultaria o leitor a entender o que causou o aparecimento da síndrome em Gemma.
Também gostei dos personagens, ambos foram bem desenvolvidos e descritos. Tyler, o seqüestrador foi o que mais me surpreendeu, pois ele é um personagem bom, carismático e sensível, no entanto ele também possui um lado sombrio devido a traumas do passado e por isso se tornou um jovem perturbado e carente de afeto. Já Gem foi uma personagem normal para idade e cresceu ao decorrer da leitura. Senti pena e compaixão por ambos e cheguei a torcer para que os dois tivessem um final feliz.

“Perguntei a mim mesma o que teria acontecido se não tivessem feito isso. Você ainda estaria correndo pela fazenda do seu pai, mais selvagem do que qualquer bicho? Teria desaprendido a falar? Mas talvez isso não tivesse importância para você.”

O único ponto que me desagradou foi o final, achei que tudo ocorreu muito rapidamente, como também não teve uma definição apropriada, me pareceu como se autora tivesse deixado algo passar de propósito, quase como se fosse haver uma continuação, mas acredito que não haverá; no meu ponto de vista poderia ter sido diferente.
Em resumo Stolen é um livro envolvente e único. Vale muito a pena ser lido principalmente por aqueles que apreciam o gênero. Só aviso aos futuros leitores que esta história pode causar sentimentos conflitantes...  E pode ser que ao chegar no final, alguns percebam que se afeiçoaram e torceram pelo Tyler MacFarlane, assim como eu rs J

Recomendo!



“Permaneci em silêncio. Não queria voltar para você. Não sabia o que iria fazer. Pressionei os braços na pedra e ordenei a mim mesma que parasse de tremer. As pontas dos meus dedos estavam ficando azuis.   - Não há escapatória  -  você gritou.    –  Vou esperar aqui a noite inteira, a semana inteira se for preciso. Você não pode escapar de mim.”

“Estendi o braço, segurei sua mão e cerrei meus dedos sobre os seus. Não queria largar você. Não queria ficar sozinha com aqueles estranhos. Olhei para você, meus olhos encontraram os seus. Você hesitou, olhou para trás, para o asfalto e para a planície vermelha que havia além... Depois de novo para mim. Com um leve aceno de cabeça, você sentou ao meu lado e começou a falar comigo. Não sei o que você disse. Mas havia lágrimas em seus olhos.”

“ Não havia nada no outro lado daqueles rochedos, somente mais da mesma coisa.Para onde quer que eu fosse, você me pegaria.Eu não tinha como fugir.”

 “ Estendi a mão e tirei uma partícula de tinta grudada em sua barba curta. Você segurou os meus dedos e os apertou contra o queixo. Permaneci imóvel, sentindo o calor da sua mão e a aspereza de sua barba curta nas pontas dos meus dedos. Onde é que eu estava com a cabeça? Olhei de novo para as estrelas. Após alguns momentos, você deixou meus dedos escorregarem entre os seus.”

Beijos.

12 comentários:

  1. Oi Alinne!
    O livro me chama a atenção porque gosto de thrillers assim. Fiquei surpresa por ver que ele tem uma abordagem mais leve, o tema em si é um tanto quanto pesado.
    Acho que isso do estupro dificultar a compreensão do aparecimento da síndrome depende da habilidade do autor em narrar a história. Isso acontece em Identidade Roubada (fui checar se você tinha lido mesmo antes de falar pra não dar spoiler hehe) e fica completamente compreensível a dependência que ela acaba criando com o sequestrador, ainda que ela não chegue a desenvolver a síndrome por completo.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Oie :)

    Nossa quando eu vi sua resenha eu fiquei super feliz , motivo ? estou querendo esse livro desde o meio do ano passado kkkkkk , mais o preço é tão alto que eu nem me dou ao trabalho de comprar kkk , quero leeeeer , beijos !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/ ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
  3. Oi Alinne! Adorei sua resenha! Li o livro há pouco tempo, mas ainda não publiquei a resenha. Meus sentirmentos foram contraditórios e juro que desenvolvi a tal síndrome junto com a Gemma.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa fiquei muito curiosa para ler Stolen!
    Já tinha ouvido falar sobre esse livro mas nunca tinha lido uma resenha que me fizesse ter vontade de lê-lo! E essa fez! hehe
    Nunca li nenhum thriller psicológico e este livro parece ser ótimo para começar *-*
    Beeijos,
    http://isteh.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Uau! Gostei!
    Vou com certeza buscar esse livro!
    Valeu a dica!

    ResponderExcluir
  6. Esses finais que acontecem rápido demais estão ficando mais comuns do que se imagina. :/ Eu acho que os autores deveriam se policiar um pouquinho mais.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  7. Com certeza é ele abordar a Síndrome de Estocolmo que mais chama atenção e parece ser o ponto alto! Gostei.
    Beijo,
    Nic

    ResponderExcluir
  8. Minha nossa. Parece que ultimamente eu só tenho me interessado por livros que causam "sentimentos conflitantes", hahaha. Li há mais ou menos Belo Desastre e estou fugindo de dramas, mas parece que eles me perseguem, rs.

    Adorei sua resenha, e fiquei com a maior vontade de ler o livro, mesmo tendo o gênero que tem.

    http://valvula-de-e5cape.blogspot.com.br/
    @valvuladee5cape

    ResponderExcluir
  9. Adorei a resenha, tenho mta vontade de ler esse livro,parace muito bom :)
    E essa capa tbem, adoro, muito linda!

    Beijos
    Mari

    http://quinzeprimaverasescritas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Um livro que me chama atenção faz um tempão, mas que infelizmente ainda não li. Uma história que promete mexer com nossos sentimentos.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  11. Gostei do livro... Mas ODIEI o final, esperava que ambos se entendessem e ficassem juntos. Agora se tiver continuação, tudo bem! rs... Mas caso contrário... fiquei frustada com o final. Primeiro livro que deixou a desejar. Franciele - Goiás

    ResponderExcluir
  12. Oi, Aline! Eu amei o livro, ainda amo, na verdade, mas assim como você também não gostei do final. Ela poderia fazer o que mencionara na carta: A segunda opção, acho que como ele preferiu ser preso ao invés de deixá-la só, ela poderia ter salvo sua vida. Não achei justo o final. Ele salvou sua vida muitas vezes e ela simplesmente não poderia salvar a sua no tribunal?! Se fosse eu no lugar dela faria isso porque não conseguiria viver longe da pessoa que eu estava apaixonada, não conseguiria acordar e saber que poderia ter feito algo em troca, minha gratidão não bastaria. Eu não conseguiria viver longe dele, mesmo com a pressão de meus pais... Sem pensar duas vezes voltaria ao deserto com ele.Talvez Ty não estivesse falando totalmente a verdade, mas eu acreditei nele!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante!
Por isso comente! Deixe sua opinião ou sugestão.
Se tiver alguma rede social ou blog, comente pela opção Open ID.
Se for comentar como anônimo, deixe seu nome para que eu possa te identificar e entrar em contato.
E Seja Bem Vindo!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...